quinta-feira, 31 de março de 2011

Afinal, porque incomodamos tanto?

Im memorian do Rev. João Paulo

A presente publicação foi mais uma vez fruto de não raras percecpções do Rev. João Paulo, suas impresões quase que "proféticas" das coisas que aconteciam em nosso meio sempre foi notória entre os colegas de ministério,seu espírito arguto, ou seja; capaz de perceber com rapidez as coisas mais sutis era sua marca registrada. 
Rev. Luciano Gomes.



 


Parte I:"Porque Herodes, vavendo prendido e atado a João, o metera no cárcere, por causa de Herodias, mulher de Felipe, seu irmão; pois João lhes dizia: Não te é lícito posuí-la. E querendo matá-lo temia o povo porque o tinha como profeta." (Mt.14:3-5)

Escrevo exte texto para refletir com os irmãos sobre uma constatação. Nós, como Igreja Presbiteriana Fundamentalista do Brasil - IPFB, somos pequenos em número, em recursos financeiros e materias, em poder político e influência dentro do quadro presbiteriano brasileiro. Mesmo assim parece que estamos incomodando muito a liderança hora estabelecida da Igreja Presbiteriana do Brasil - IPB, muito mais do que outra instituição eclesiástica, seja presbiteriana seja de qualquer outra matriz denominacional ou linha teológica.

Como já disse esta afirmação é uma constatação e não uma opinião. É fruto da observação de diversos acontecimentos nos últimos anos e principalmente de dois fatos recentes os quais irei rapidamente comentar para informação dos irmãos.

O primeiro fato é o artigo publicado na revista Fides Reformata Et Semper Reformanda Est. (volume IV número I) escrito pelo Rev. Guilhermino Cunha, presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, sob o título "Os Herdeiros da Carl Mcintire". O artigo é significativo para a nossa constatação, tanto pelo veículo em que está como posição relevante do seu autor. A Fides, como é conhecida, é o orgão informativo acadêmico-teológico de ponta na IPB. A pouco tempo passou por profundas transformações com a saída dos sete professores do Centro Presbiteriano de Pós-graduação Andrew Jumper, no qual é editada e no editorial do número em questão (Pág. 05), que apresenta e inaugura estas mudançãs, podemos ler o seguinte:

"A revista Fides Reformata tem se destacado no cenário teológico brasileiro reformado, como uma das mais bem cotadas referências acadêmicas. A razão de ser da revista é a alimentação teórica de teólogos já formados ou em vias de fromação e atualização constantes, particularmente em nível de pós-graduação."

Não irei criticar o texto em si. Isto já foi feito por vários irmãops bem mais habilitados e conhecedores, não somente da teologia mas também da história do cristianismo reformado. Esses demonstram a falta de ética cristã e de precisão histórica das informações elencadas pelo autor.

Quero sim chamar a atenção para o tom iracundo e agressivo do artigo, um tom de quem se sente ameaçado, de quem não consegue esconder o desconforto ante a existência e as manifestações, mesmo que quase inaudíveis e imperceptíveis daquele a quem ataca. No artigo o rev. Guilehrmino Cunha acusa levianamente ministros de Deus de terem sido veniais quando da divisão da IPB -IPFB. A divisão ele atribui a motivos pessoais e menores destse líderes e não aos problemas doutrinários no sistema de ensino teológico da IPB, que realmente provocaram a separação. Indo mais além relaciona-os com o ato e o caráter de Judas Iscariotes. Acusa os fundamentalistas de serem obtusos intelectualmente e fanáticos que ao invés da razão usam a força para expressar suas posições. Termina sua obra prima com um indisfarcável (embora ele tenha tentado disfarçar) tripudiar regozijado pela desgraça em que caiu o Rev. Carl Mcintire, que o autor chama de "pastor" entre aspas (pág. 13), nos últimos anos da sua longa vida.

O primeiro fato está posto. É inegável que mesmo pequena a IPFB ainda assombra o Rev. Guilermino Cunha, assombro tal que levou a ferir princípios éticos e escriturísticos que ele em tese deveria observar, defender, ensinar e fazer cumprir, que são o respeito cristão e a aderência à verdade.

Continua em uma próxima postagem!
 

Sem comentários: