quarta-feira, 20 de abril de 2011

É necessária a celebração da Páscoa hoje?



“Alimpai-vos, pois do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós”.
I Corintios 5:7
      
A Páscoa   foi  instituí a pela  primeira vez no Egito conforme lemos em Êxodo 12.
A palavra Páscoa significa “passar por cima” com o sentido de  poupar, libertação. 
Anualmente o povo judeu deveria celebrar a Páscoa como um memorial de sua libertação do Egito.
A vítima devia ser um cordeiro de um ano, sem mácula nem mancha.
O cordeiro sacrificado por ocasião da Páscoa relembrava a libertação passada, mas também tipificava o Senhor Jesus Cristo que haveria de ser sacrificado por nós.  
“E isto aconteceu para se cumprir a Escritura: nenhum dos seus ossos será quebrado”  Jo. 19:36.
É  necessária  celebração da  Páscoa  hoje?  Não!
Por quê? A própria Bíblia responde: “Porque Cristo, a nossa Páscoa, foi sacrifi-cado por nós”  I Co. 5:7.
Cristo é o Cordeiro de Deus, a nossa Páscoa.
O cordeiro pascal tinha que ser macho, de um ano, na flor da idade.
Havia de ser sem defeito denotando a pureza de Jesus Cristo. “Sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo” I Pedro 1:18, 19.
Havia de ser separado por quatro dias antes, denotando a designação do Senhor Jesus para ser nosso Salvador.
É interessante notar que, havendo de ser crucificado na Páscoa, Jesus Cristo entrou em Jerusalém quatro dias antes, no mesmo dia em que o cordeiro pascal era posto à parte.
Havia de ser morto por toda a comunidade (“Ora, neste caso, seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado” - Hebreus 9:26),   diante da multidão (“Toda a multidão, porém, gritava: Fora com este! Solta-nos Barrabás!” - Lucas 23:18), nenhum osso foi quebrado (“E isto aconteceu para se cumprir a Escritura: nenhum dos seus ossos será quebrado” -  João 19:36).
Hoje, no lugar da Páscoa, devemos participar da ceia do senhor. A Santa Ceia é a maior festa do crente e se ele não desfruta dela a culpa é dele.
A Santa Ceia deve ser uma festa de pão sem fermento. Observada em amor, sem o fermento da maldade, da hipocrisia, em sinceridade diante de Deus e dos homens.
 
“Mas Ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas pisaduras fomos sarados”. Isaías 53:5

Pr. José Vasconcelos da Silva Filho
Pastor da IPF do IPSEP-Recife-PE
Professor do Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil - Recife
Nosso pastor e colaborador do MINISTRANDO.
 

Sem comentários: